..:: ARTIGO SOBRE O TRÁFICO DE SERES HUMANOS ::..

CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2014

Introdução

Todos os anos no período da Quaresma acontece no Brasil a Campanha da Fraternidade, um convite para a conversão e penitência, para uma opção e decisão no seguimento do Senhor. A cada ano a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) escolhe um tema e um lema emergente da realidade brasileira. Somos todos chamados a viver em atitude constante a oração, o jejum e a caridade.

Neste ano a Campanha da Fraternidade (CF) tem como tema: "Fraternidade e Tráfico humano" e lema: "É para a liberdade que Cristo nos libertou". (Gl. 5,1)

Somos chamados a refletir a partir da Campanha da Fraternidade deste ano a Situação de exploração e violência que sofrem nossos irmãos e irmãs.

- O objetivo geral da Campanha da Fraternidade será identificar as práticas de tráfico humano em suas várias formas e denunciá-las como violação da dignidade e da liberdade humana, mobilizando cristãos e pessoas de boa vontade para erradicar este mal com vista ao resgate da vida dos filhos e filhas de Deus.

- Resgatar essa dignidade, identificar as práticas de tráfico humano e denunciá-lo são objetivos dessa Campanha da Fraternidade. Mobilizando cristãos e a sociedade brasileira para erradicar o mal do Tráfico Humano, a Campanha propõe-se a reivindicar dos poderes públicos, políticas e meios para a reinserção das pessoas atingidas e sensibilizar para a solidariedade com ações preventivas.

Perguntemos-nos o que é trafico humano?

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), no protocolo de Palermo (2003), define tráfico de pessoas como recrutamento, transporte, a transferência, o alojamento ou o acolhimento de pessoas,recorrendo ao uso da força ou a outras formas de coação, ao rapto, a fraude, ao engano ao abuso de autoridade ou a situação de vulnerabilidade ou à entrega ou aceitação de pagamentos ou benefícios para obter o consentimento de uma pessoa que tenha autoridade sobre outra para fins de exploração.

O tráfico humano hoje é, certamente, fruto da cultura que vivemos. Cultura que valoriza o bem estar, boas condições de vida para alguns em detrimentos da grande maioria da humanidade, que se vê obrigada a contentar-se com o mínimo ou nenhuma condições para satisfação de suas necessidades básicas. Isto se configura em nossos dias como, uma grande chaga social, que desumaniza e crucifica milhões de pessoas em todo o planeta. Tornando-se assim uma das formas mais clara de escravidão.

Quem são as pessoas Traficadas?

A maioria das pessoas são pobres ou está em situação de grande vulnerabilidade: homens, mulheres, jovens, adolescentes e crianças. São enganados com promessas ilusórias de vida boa, melhores condição de vida, proposta de trabalhos. E, frente a necessidade de sustentar a própria família, questões ambientais como a seca, pobreza extrema, falta de oportunidades, acabam por entrar nas vias ilusórias do tráfico humano que se dá pelo trabalho escravo, comercialização do corpo, venda de órgãos humanos, entre outras formas cruéis de exploração com milhares de pessoas no mundo. Assim, o tráfico se apropria daquilo que é o bem mais preciso das pessoas a capacidade de sonhar, de querer mais, ir além. Surge ai o tráfico como a grande possibilidade.

As principais modalidades do Tráfico Humano são: Tráfico para exploração no trabalho, para exploração sexual, para extração de órgãos, para adoção de crianças, para exploração da força de trabalho, para atividade ilícita. O Tráfico Humano caracteriza-se pela ampla estrutura do crime organizado, em rotas nacionais e internacionais e internacionais, pela invisibilidade ajudada pela falta de denúncia e pelo aliciamento e a coação.

O lema nos recorda que a liberdade nos foi doada na cruz de Cristo. Ele nos libertou e, por isso, concedeu-nos participar da plenitude de sua vida: no sofrimento conquistou para nós a plena liberdade dos filhos e filhas de Deus.

Ir. Josimaura Lopes da Silva, FCR